Vida e obra de “Otávio De La Pino”, preso hoje em Manaus

Otávio Almeida Costa, em 1992, ainda tinha 16 anos quando sacudiu Parintins ao anunciar que havia contratado o rei da lambada, Beto Barbosa, para se apresentar no maior espaço público da cidade, o Bumbódromo.

Àquela atuara, ainda hoje é assim, apenas Garantido e Caprichoso ousavam o famoso centro cultural para grandes apresentações.

Otávio, porém, adolescente, sustentou a história e só convenceu quando, enfim, apareceu com o cantor na ilha.

Era verdade. No auge de sua fama, Beto Barbosa, acabara de ser contratado por um adolescente pobre, do bairro Santa Clara, mas que já ensaiava os primeiros passos do poder de persuasão que alcançaria mais tarde.

Horas antes do espetáculo, no entanto, uma confusão se formou.

Beto Barbosa ameaçava não se apresentar. Queria receber o acertado, mas Otávio não tinha conseguido arrecadar o cachê com as vendas prévias.

A confusão envolveu polícia, políticos e um grupo de pessoas que resolveram ajudar o garoto para não perder a oportunidade de assistir ao show do artista.

O apelido

Por causa disso, Otávio ganhou um apelido que nunca lhe incomodou: “Otávio De La Pino”.

Internacional

Passada a estreia, Otávio sumiu da cidade e voltou anos depois, anunciando-se milionário.

Contava, sem cerimônia, mas explicar como, que se tornou rico após um relacionamento na Europa, onde diz ter morado no período.

Empresário

Depois disso, De la Pino experimentou a fase empresarial, sempre bem acompanhado e expondo viagens e relacionamentos.

Fluente nas conversas, ele não contava conversa em falar de seus negócios com grande rentabilidade.

Capítulo de hoje

Nesta quinta-feira, dia 18, Otávio Almeida estreou um novo capítulo em sua historia.

Ele foi preso pela Polícia Civil do Amazonas numa operação que rendeu homenagem por levar o seu nome: “Operação conde Otávio”.

De acordo com a PC, De La Pino estava sendo investigado por aplicar golpes na cidade, apresentando às vítimas documentos de licitações, alegando que precisaria de dinheiro dessas para entregar serviços de obras para, então, receber valores milionários, em que as vítimas teriam participação.

O delegado explicou que uma vítima, um empresário de 57 anos, relatou ter tido prejuízo em torno de R$ 1,5 milhão.

No entanto, informou a polícia, nunca houve contrato ou qualquer tipo de serviço prestado.

Projeto adiado

Em função desse episódio de hoje, Otávio terá que adiar o sonho que vinha alimentando nos últimos meses, de ser prefeito de Parintins.

Foto: Reprodução/Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: