Search
Close this search box.

Pré-candidato Roberto Cidade critica gastos excessivos com tinta e propõe políticas sociais em Manaus

O apoio à pré-candidatura de Roberto Cidade (UB) à Prefeitura de Manaus tem crescido a cada reunião. Na noite da última terça-feira (18/6), nos bairros Parque 10 e Aleixo, zona Centro-Sul, um grande número de pessoas manifestou apoio ao deputado estadual. Durante o encontro, Cidade apresentou as prioridades de seu Plano de Governo e criticou o uso de R$ 42 milhões em pintura de vias públicas, sugerindo que esse montante poderia ter sido empregado para apoiar as famílias carentes por nove meses. “Temos que tirar o pincel da mão deste prefeito e colocar alguém que saiba administrar com responsabilidade e compromisso social. Tenho percorrido todas as zonas de Manaus e visto de perto o anseio da população. Ninguém aguenta mais tanta pintura e pouca entrega. Nossa primeira iniciativa, em janeiro de 2025, será enviar para a Câmara Municipal de Manaus um projeto para criar o Auxílio Municipal Permanente, que ajudará a matar a fome de 50 mil famílias. Se os R$ 42 milhões gastos com tinta tivessem sido destinados a essas pessoas, elas poderiam ter sido assistidas por pelo menos nove meses”, afirmou Cidade. Uma das principais propostas de seu Plano de Governo é a criação do Auxílio Municipal Permanente, uma transferência de renda que beneficiará 50 mil famílias já no primeiro ano. O auxílio será destinado principalmente a mulheres chefes de família, seguindo o modelo do Auxílio Estadual Permanente. A deputada estadual Alessandra Campelo (Podemos), que implementou o programa Prato Cidadão, reforçou a importância dessa assistência social e cobrou a entrega de creches e o aumento de vagas nas escolas municipais, para que as mães possam trabalhar fora de casa. “A fome não espera, e nós temos que ajudar as famílias a terem uma melhor qualidade de vida. Isso inclui empregos, mas como as mulheres podem trabalhar se não há creches ou vagas nas escolas? O atual prefeito prometeu creches e não entregou, prometeu aumentar as vagas nas escolas e não fez. Roberto é um político comprometido com as questões que beneficiam as mulheres e será um excelente gestor para elas”, disse Campelo. A deputada estadual Joana Darc (UB) também testemunhou o comprometimento de Cidade com diversas causas. “Estou ao lado de Roberto Cidade porque vejo seu trabalho na Assembleia Legislativa, sempre respeitoso e comprometido com as causas que levamos a ele. Assim é com a causa da mulher, da pessoa com deficiência, e da causa animal. Ele cumpre com a palavra e será assim também na Prefeitura de Manaus”, declarou. Prioridades do Plano de Governo Além do Auxílio Municipal Permanente, as prioridades de Cidade incluem a ampliação e o armamento da Guarda Municipal e a implementação de 12 Unidades de Pronto Atendimento (UPA) em todas as zonas da capital, ao longo de quatro anos. “Manaus possui apenas 385 guardas municipais, um número insuficiente para atender às demandas da cidade. Vamos realizar concurso público para ampliar a guarda com mais mil agentes já no primeiro ano e armar todos os guardas municipais. Assim, poderão auxiliar efetivamente na segurança das praças, prédios e logradouros públicos”, destacou Cidade. Quanto às 12 UPAs, o pré-candidato reconhece a dificuldade, mas acredita que com planejamento e administração comprometida, o compromisso é viável. “Nosso plano de governo é viável. Não estamos apenas prometendo, estamos nos comprometendo. Implementar as UPAs é um desafio, mas tenho coragem para assumir a atenção básica de Manaus como deve ser. O SUS não envia recursos para manter UPAs porque aqui não temos nenhuma. Fortaleza e Salvador, por exemplo, recebem. Manaus é a única entre as 10 maiores capitais do país que não tem pronto-socorro municipal. Vamos ter UPAs funcionando 24 horas, com médicos, exames básicos e dispensação de medicamentos. Esse é um compromisso pelo bem da população, que não aguenta mais ter que ir de madrugada para a porta de UBS para conseguir uma ficha para consulta médica”, concluiu.

David Almeida tem 76% de aprovação e segue líder das intenções de votos em Manaus, mostra Pesquisa Quaest

Pesquisa da Quaest Consultoria divulgada na última quinta-feira(16), mostra que David Almeida (Avante) se mantém na liderança com 30% das intenções de votos dos manauaras. Também revela que sua gestão tem aprovação de 76% da população, com destaque para as ações nas áreas da cultura, esporte, lazer, bem como na realização de obras e manutenção de vias, educação, limpeza, saúde e segurança. Em segundo lugar na pesquisa aparece Amom Mandel (Cidadania) com 27%, Capitão Alberto Neto (PL) com 15%, Roberto Cidade (União) e Marcelo Ramos (PT), ambos com 8%. Já Maria do Carmo (Novo) tem 2% e Wilker Barreto (Mobiliza) com 1% das intenções de voto. A Pesquisa Quaest foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número AM-07730/2024. Entrevistou 1.002 eleitores, de 8 a 11 de maio deste ano, com margem de erro estimada de 3,1 pontos percentuais e 95% em nível de confiança. Melhor avaliação de Governo Comparando os atuais poderes municipal (Manaus), estadual (Amazonas) e federal (Governo Federal), a gestão David Almeida aparece com a melhor avaliação – com 76%, sendo que 38% positivo e 38% regular. Em seguida, vem a gestão de Wilson Lima, com 68%, sendo 30% positivo e 38% regular; e o Governo Lula, com 62% – 27% positivo e 35% regular. Entre as áreas em que David está sendo mais lembrado pelos entrevistados estão: cultura, esporte e lazer, com 19%; realização de obras (15%); manutenção de vias, ruas e avenidas (11%); educação (8%), limpeza urbana (7%), saúde e mobilidade urbana (5%); segurança (4%), saneamento (3%), na área social (2%), empreendedorismo e combate à alagamento (1%). Boa aceitação entre os segmentos Quando se separa os entrevistados por sexo, faixa etária, escolaridade, renda familiar e religião, David Almeida aparece equilibrado, demonstrando que seu nome tem boa aceitação entre homens (30%) e mulheres (29%); entre jovens (33%), adultos (27%) e idosos (29%), e entre pessoas com diferentes escolaridades: até o ensino fundamental (36%), ensino médio completo ou incompleto (28%) e ensino superior incompleto ou mais (28%). Já com relação à renda familiar, 28% dos entrevistados que indicaram seu nome para prefeito ganham até 2 salários mínimos, 33% entre 2 e 5 salários e 25%, mais de 5 salários mínimo. Sobre cor e raça, 28% se declararam pardos, 36% brancos e 37% pretos; enquanto que 33% se declararam evangélicos, 27% católicos e 35% que diz não ter religião.   com informações da assessoria

Amazonas participa da posse da nova ministra da Cultura, Margareth Menezes, em Brasília

Visando fortalecer o setor cultural e estreitar as relações entre o Amazonas e a esfera federal, o secretário de Cultura e Economia Criativa do Amazonas, Marcos Apolo Muniz, participou da posse da nova ministra da Cultura, Margareth Menezes, ocorrida na segunda-feira (02/01), no Museu Nacional da República, em Brasília. Marcos Apolo destacou a importância do diálogo com a ministra, no sentido de otimizar recursos para o estado, implementar políticas públicas para o setor cultural e somar esforços com a reestruturação do Ministério da Cultura (MinC). “É importante para que a gente possa conquistar e conseguir apoio para o setor cultural, como o avanço da aprovação e liberação de recursos da Lei Aldir Blanc II e da Lei Paulo Gustavo, além de entender como o novo governo vai disponibilizar os editais, como o da Funarte, a reestruturação da antiga Lei Rouanet de incentivo federal, que também é importante para algumas iniciativas de projetos culturais do Governo do Estado, como a manutenção do Liceu de Artes e Ofício Claudio Santoro e realização de festivais, como o de Ópera, Parintins entre outros”, disse o secretário. Para 2023, a Secretaria de Cultura do Amazonas elaborou um plano de governo que reúne 21 propostas para fortalecer e abrir novas frentes de trabalho para profissionais do setor e fazedores culturais. A cantora e ativista Margareth Menezes, que está à frente do Ministério da Cultura, soma mais de 40 anos de carreira e possui forte atuação na liderança de iniciativas para fortalecer blocos afro e a música pop baiana, além de ser a fundadora da Fábrica Cultural, organização não governamental que promove formação técnica e profissional no ramo cultural. “A nova ministra já mostrou ser muito acessível e que está disposta a dialogar com os agentes estaduais, o que, certamente, será importante para que possamos discutir a realidade de cada estado e coletiva do nosso país e, dessa forma, construir os melhores caminhos para as políticas públicas de cultura do Brasil”, finalizou o secretário.

PL de Joana Darc, propõe considerar deficiência a perda auditiva unilateral

Manaus (AM)- Na esteira de seu trabalho de proteção social à Pessoa com Deficiência, a deputada Joana Darc (União Brasil), protocolou na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), Projeto de Lei nº 452/2022, que propõe considerar a pessoa com deficiência aquela com perda auditiva unilateral, caracterizada pelo sentido da audição por apenas um dos ouvidos, a qual limita a noção de direcionamento do som percebido, bem como a audição em sons vindos na direção do ouvido deficiente. A parlamentar explica que a importância da propositura para sanar as dificuldades na qual a pessoa atingida pela deficiência unilateral enfrenta em meio à sociedade. “O projeto é essencial, uma vez que a deficiência auditiva em apenas um ouvido também é uma barreira para a regular inserção social da pessoa atingida. E além de interferir na participação social plena, pessoas com essa deficiência se encontram em desvantagem ao pleitear uma colocação no mercado de trabalho”, explica a parlamentar. Caso o aprovada, a medida possibilitará o acesso a direitos já assegurados às pessoas com essa deficiência, como: reserva de vagas em concursos públicos e na chamada “Lei de Cotas”, conforme art. 93 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, que determina a contratação de percentuais variados de pessoas com deficiência pelas empresas, proporcional ao número de empregados; e Consoante Acórdão do Superior Tribunal de Justiça – STJ, na qual dispõe que pessoas com deficiência auditiva unilateral podem concorrer às vagas reservadas às pessoas com deficiência nos concursos públicos. Joana Darc destaca ainda, a inclusão social das pessoas com deficiência, não apenas por meio da universalização dos direitos, mas também pelo reconhecimento da importância desse importante segmento da nossa população para o desenvolvimento social. Conforme convenção sobre os direitos da pessoa com deficiência e dos §§ 2º e 10º do art. 20 da Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993, é considerada pessoa com deficiência aquela que tem impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas. *com informações da assessoria

Braga gastou 133% a mais por cada voto conquistado no primeiro turno do que Wilson, mas atraiu 50,9% menos eleitores

O senador e candidato ao Governo do Amazonas, Eduardo Braga (MDB) registrou R$ 6,64 milhões em despesas contratadas para sua campanha de primeiro turno, o equivalente a R$ 16,53 por voto conquistado, já que, nas urnas, o emedebista atraiu a predileção de 401.817 eleitores. Já Wilson Lima, candidato à reeleição pelo União Brasil, registrou R$ 5,79 milhões em despesas contratadas, valor que equivale a R$ 7,07 por eleitor conquistado. Em uma análise baseada no cruzamento de dados disponíveis no DivulgaCand e no portal de resultado das eleições do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), conclui-se que Braga, apesar de ter tido menos da metade dos votos obtidos por Lima, gastou 133% a mais por cada voto conquistado. O dado serve de termômetro para mensurar o nível de dificuldade de Eduardo Braga em superar Wilson Lima nas urnas no segundo turno das eleições, que acontecem no próximo dia 30, data em que será definido quem assumirá a cadeira de chefe do Executivo Estadual pelos próximos quatro anos. A maior parte dos valores destinados às campanhas vem dos Fundos partidários e são direcionados aos candidatos pelos diretórios dos partidos. No cálculo geral, o valor destinado a serviços contratados de campanha por Eduardo Braga é 14,6% maior que o de Wilson Lima. Já os valores efetivamente pagos por cada candidato são: R$ 5,92 milhões, por Eduardo Braga; R$ 1,67 milhão, por Wilson Lima. O prazo para a prestação de contas final dos candidatos deverá ser feita até 30 dias após as eleições, conforme calendário eleitoral definido pelo TSE. A Justiça Eleitoral também disponibiliza em seu site, informações sobre eleições anteriores. No caso de Wilson Lima, não há dados, uma vez que o candidato está em seu primeiro mandato político. Já no caso de Eduardo Braga, as informações mostram que o eleitorado do ex-governador vem encolhendo nas últimas eleições em que ele saiu vencedor. Saiba mais na análise de dados.

Por irregularidades em convênio, TCE-AM aplica multa ao ex-secretário de Estado de Educação e ao ex-prefeito de Careiro da Várzea

O Pleno do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM) multou o ex-secretário de Estado da Educação (Seduc), em 2007, Gedeão Timóteo Amorim, e o ex-prefeito de Careiro da Várzea, Pedro Duarte Guedes, em R$ 8,76 mil cada. O julgamento aconteceu na manhã desta terça-feira (12), durante a 12ª Sessão Ordinária. A sessão foi transmitida, ao vivo, pelos perfis do TCE-AM no YouTube (TCE Amazonas), Facebook (/tceam), e Instagram (@tceamazonas). O convênio firmado entre a Seduc e a Prefeitura de Careiro da Várzea em 2007 apresentou irregularidades que não foram justificadas pelos gestores. No relatório, o auditor Alípio Reis Firmo Filho apontou que o ex-secretário de Educação à época, Gedeão Amorim, apresentou um plano de trabalho precário para o termo; não apresentou parecer jurídico emitido por uma autoridade competente; apresentação intempestiva da prestação de contas ao TCE, e ausência de comprovação do cumprimento do cronograma. Pelas irregularidades, os gestores foram multados em R$ 8,76 mil cada, totalizando R$17,52 a serem devolvidos aos cofres públicos. Os gestores têm o prazo de 30 dias para realizarem o pagamento ou recorrerem da decisão proferida pelo Pleno. A sessão foi conduzida pelo presidente da Corte de Contas, conselheiro Érico Desterro. Participaram os conselheiros Yara Lins dos Santos e Fabian Barbosa, além dos auditores Mário Filho, Alípio Reis Firmo Filho, Luiz Henrique Mendes e Alber Furtado. Próxima sessão no dia 19/04 O presidente Érico Desterro convocou a 13ª Sessão Ordinária para a próxima terça-feira (19), às 10h. A reunião plenária será transmitida, ao vivo, pelas redes sociais do TCE-AM (YouTube, Facebook e Instagram), e, em áudio, pela Rádio Web do Tribunal.  

Sergio Moro decide trocar Podemos por União Brasil

O pré-candidato à presidência da República, Sergio Moro, decidiu deixar o Podemos e se filiar ao União Brasil. A decisão deve ser anunciada ainda nesta quinta-feira, 31. Com a troca de partido, há chance de Moro desistir de sair candidato a presidente e tentar disputar uma vaga para deputado federal. Em pesquisa divulgada no dia 24 de março, pelo Datafolha, Moro aparecia em terceiro lugar na disputa eleitoral, com 8% das intenções de votos. A possível desistência de Sergio Moro já é a segunda reviravolta do dia, na disputada eleitoral deste ano. Mais cedo, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), indicou que deixará a disputa presidencial de lado e permanecerá no cargo. A oficialização da desistência deve ocorrer em entrevista na tarde desta quinta-feira, 31.  

Fechamento não é política correta contra a covid-19, diz Bolsonaro

Presidente participou da comemoração de 160 anos da Caixa O presidente Jair Bolsonaro reiterou hoje (12) sua contrariedade ao fechamento total de comércios em função da pandemia. Durante cerimônia de comemoração dos 160 anos de fundação da Caixa – e da caderneta de poupança no Brasil –, Bolsonaro disse que não se pode falar em saúde sem emprego, e que vida e economia “andam de braços dados”. “Eu peço a Deus que ilumine governadores e prefeitos para que não fechem tudo. Essa não é a política correta. Vida e economia andam de braços dados. Não podemos falar em saúde sem emprego”, disse o presidente na cerimônia, que ocorreu no Palácio do Planalto. De acordo com balanço divulgado de ontem do Ministério da Saúde, o Brasil acumula 8,1 milhões de casos confirmados e 203 mil mortes.  Dirigindo-se à imprensa, Bolsonaro voltou a defender a liberdade das manifestações via redes sociais e afirmou que a liberdade de imprensa é plena em seu governo. “Lamento, no entanto, o fechamento e a censura às mídias sociais. Elas não concorrem com vocês [imprensa]. Uma estimula a outra, e a liberdade não tem preço”, acrescentou. Caderneta de Poupança comemora 160 anos Sobre a comemoração de 160 anos da Caixa Econômica Federal e da caderneta de poupança no Brasil, Bolsonaro destacou que o banco público levou paz à população ao ajudá-la a receber o auxílio emergencial. “Em momentos difíceis como a pandemia, [a Caixa] criou, em poucos dias, mais de 60 milhões de contas. Trabalhamos para levar paz aos homens e mulheres do Brasil”, disse ao destacar, também, a contratação de 3 mil pessoas com deficiência, pelo banco. Em seu discurso, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, disse que o banco bateu recorde de lucro em 2020, com os créditos imobiliários concedidos à população . “Em 20 dias, 50 milhões de brasileiros receberam o auxílio emergencial. E, em meio à pandemia, batemos o recorde de crédito imobiliário. Em consequência, a caixa nunca ganhou tanto dinheiro com o crédito imobiliário”. Segundo ele, o banco terá, também, a menor taxa de inadimplência de todos seus 160 anos de existência. “Nunca emprestamos tanto e tivemos tão pouca inadimplência. Teremos um lucro que, não posso ainda informar [o valor], mas será recorde”. Fonte: Agência Brasil

Mais de 90 eleitores com nome social estão aptos a votar nas eleições de 2020 no AM

Desde 2018, transexuais e transgêneros podem mudar de nome no registro civil sem passar por cirurigia de mudança de sexo. Nas eleições municipais de 2020, 97 eleitores com nome social estão aptos a votar, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Esta é a segunda eleição que acontece no país após a Justiça Eleitoral autorizar a inclusão de nome social no cadastro do eleitor. Neste ano, as eleições – que estavam previstas para o primeiro domingo de outubro – ocorrem em 15 de novembro, em razão da pandemia de Covid-19. O Amazonas possui o maior aumento do eleitorado do país, que soma 147.918.483 de votantes. Na capital, o total de votantes para este ano é 1.331.613, sendo que pelo quarto ano eleitoral consecutivo, as mulheres são maioria do eleitorado. Desde 2018, o Superior Tribunal Eleitoral (TSE) garante a transexuais e transgêneros o direito de mudarem o nome no registro civil sem a necessidade de cirurgia de mudança de sexo. Com a decisão, a alteração pode ser feita por meio de decisão judicial ou diretamente no cartório. Em todo o país, 9.985 eleitores com nome social estão aptos a votar este ano. O presidente da Associação Manifesta LGBT+, Gabriel Mota, disse que este direito é uma conquista que deve ser comemorada, e resulta de lutas históricas da população trans. Ainda segundo ele, a medida diminui atos preconceituosos contra a comunidade. “Já aconteceu de o eleitor chegar na urna e passar pelo constrangimento de ser uma mulher ou um homem e no registro de identidade ter um nome que não condiz com a identidade daquela pessoa no momento”, comentou. No Amazonas, a capital concentra a maioria do eleitorado com nome social apto a votar. Em Manaus, ao todo, são 62, e outros 35 estão distribuídos em 16 municípios do interior: Parintins (7), Benjamint Constant (6) Coari (4), Nhanundá (3), São Paulo de Olivença (3), Tabatinga (2), Careiro (1), Anamã (1), Itacoatiara (1), Itapiranga (1), Maraã (1), Manacapuru (1), Rio Preto da Eva (1), Tefé (1), Uaruni (1), Urucará (1). Biometria Para evitar a propagação do novo coronavírus, a Justiça Eleitoral adotou medidas sanitárias e decidiu excluir o uso da biometria como meio de identificação nas eleições deste ano, já que o leitor não pode ser higienizado com frequência. No entanto, segundo o TSE, um levantamento mostra um avanço significativo na coleta dos dados nos últimos quatro anos. Enquanto, em 2016, 46.305.957 pessoas foram identificadas a partir das impressões digitais, em 2018, esse número saltou para 87.363.098 e, em 2020, já soma 117.594.975. Esse avanço significa que 79,50% dos eleitores brasileiros já estão identificados pela biometria. O uso de biometria também aumenta as aglomerações, uma vez que a votação se torna mais demorada do que com assinatura no caderno de votações. Muitos eleitores, conforme o TSE, têm dificuldade com a leitura das digitais, o que aumenta o risco de formar filas. Fonte: G1

Bolsonaro coloca general em novo comitê do coronavírus

O presidente Jair Bolsonaro criou um comitê para supervisão e monitoramento da crise provocada pela pandemia do coronavírus no País, conforme decreto publicado em edição extra do Diário Oficial da União nesta segunda-feira, 16. Ele escolheu o ministro-chefe da Casa Civil, general Walter Braga Netto, empossado em fevereiro, para coordenar o grupo. Com passagem por Timor Leste, como observador militar da ONU, e pela coordenação da segurança das Olimpíadas do Rio, Braga Netto foi chefe do Estado-Maior do Exército até o início de fevereiro. O general virou ministro para, segundo Bolsonaro disse no dia da posse, “fortalecer a relação” com o Congresso. Ele substituiu Onyz Lorenzoni, que foi mandado para o Ministério da Cidadania no lugar de Osmar Terra. A forma como Bolsonaro está lidando com a epidemia do coronavírus tem gerado críticas. No domingo, o presidente ignorou as recomendações dos seus médicos, de permanecer em isolamento após ter tido contato com ao menos 13 pessoas que tiveram resultado positivo para covid-19, e do Ministério da Saúde, de evitar aglomerações de pessoas, e passou mais de uma hora cumprimentando pelo menos 272 apoiadores que se juntaram em frente ao Palácio do Planalto. O comitê do coronavírus terá um total de 22 membros. Serão 17 ministros, além dos presidentes da Caixa, do Banco do Brasil, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Também haverá uma vaga para a coordenação do Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública. Caberá ao comitê a articulação da ação governamental e o assessoramento ao presidente Bolsonaro sobre os desdobramentos da pandemia. Até esta segunda, são 234 casos confirmados de infecção pelo vírus. O colegiado deverá atuar de forma coordenada com um outro, o Grupo Executivo Interministerial de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional e Internacional, criado por meio de decreto em 30 de janeiro e coordenado pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Bolsonaro usa humorista para evitar resposta sobre PIB fraco

Após resultado fraco do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019, com crescimento de apenas 1,1% no ano, o presidente Jair Bolsonaro escalou um humorista para responder perguntas da imprensa sobre o ritmo da atividade econômica nesta quarta-feira, 4. O primeiro PIB de Bolsonaro é pior do que o último do ex-presidente Michel Temer. “PIB? O que é PIB? Pergunta para eles (jornalistas) o que é PIB”, disse Bolsonaro ao humorista Márvio Lúcio, conhecido como Carioca, da TV Record. Em seguida, um jornalista reforçou que a pergunta era dirigida para o presidente, e não para o humorista. “Paulo Guedes, Paulo Guedes”, reagiu Carioca. “Posto Ipiranga”, sugeriu Bolsonaro ao humorista, rindo. Vestido como Bolsonaro, inclusive com uma réplica da faixa presidencial, Carioca usou a estrutura da Presidência para oferecer bananas aos jornalistas em frente ao Palácio da Alvorada – nenhuma jornalista aceitou. O humorista também pediu para ser questionado pelos profissionais como se fosse o presidente, o que não ocorreu. Depois, o próprio Bolsonaro apareceu e quis participar da encenação que foi combinada um pouco antes. Carioca participou de um café da manhã no Alvorada que reuniu o presidente, ministros e parlamentares do PSD. Na conversa com o humorista, Bolsonaro afirma ser “agredido” pela imprensa e pede que ele “fale em seu lugar” em frente à residência oficial. “É impressionante que eles (imprensa) ficam me agredindo. Todo dia eles estão lá fora. Estou há duas semanas sem falar com eles. Fala no meu lugar. Vou te dar a palavra”, disse Bolsonaro. O vídeo do café da manhã de Bolsonaro com o humorista foi divulgada pelo site Folha do Brasil, que publica notícias favoráveis ao governo. Na conversa, em tom de piada, Bolsonaro fala sobre política externa e faz piada com o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. “Quem é o único gordo da Venezuela?”, questiona após ser questionado se conhece o venezuelano.

Redução da maioridade penal pode aumentar criminalidade, diz Toffoli

Brasília – O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Dias Toffoli, afirmou nesta terça-feira (3) que uma eventual redução da maioridade penal pode resultar no aumento da criminalidade. Toffoli fez a avaliação ao comentar os resultados de uma pesquisa do CNJ sobre indivíduos que são punidos pelo Estado e ainda assim voltam a cometer infrações ou crimes. Segundo a pesquisa Reentradas e Reiterações Infracionais, divulgada nesta terça-feira pelo CNJ, cerca de 24% dos adolescentes que deixam uma unidade socioeducativa acabam retornando ao sistema após cometer novo ato infracional. A taxa é menor do que a reincidência de 42,5% apurada no sistema prisional, que abriga presos maiores de 18 anos. Os dados dizem respeito ao período entre janeiro de 2015 e junho de 2019. Isso indica que, uma vez ingressando em uma penitenciária, a chance de um indivíduo não se recuperar e voltar a cometer crimes é maior do que se tivesse sido encaminhado a uma unidade socioeducativa, destacou Toffoli. “Somados a outros estudos que apontam na mesma direção, esses dados são um forte indicador de que a expansão do sistema prisional para a parcela do público atualmente alcançado pelo sistema socioeducativo pode agravar ainda mais os níveis de criminalidade no país, não podendo, portanto, ser ignorados no debate em curso em nossa sociedade sobre a maioridade penal”, disse o ministro durante abertura de seminário sobre o tema, na sede do CNJ, em Brasília. Para Toffoli, a pesquisa contribui para que o assunto seja discutido com base em dados da realidade. “O Estado não pode trabalhar com achismo, com o “penso que”, o “acho que”, afirmou. A pesquisa do CNJ foi feita a partir do Cadastro Nacional de Adolescentes em Conflito com a Lei, que é alimentado pelas Varas da Infância e da Adolescência de todo o país. O próprio estudo, porém, reconhece “a fragilidade dos dados” diante da falha no preenchimento de formulários e inconsistências nas informações, embora considere os achados válidos para indicar tendências.

Onyx assumirá Ministério da Cidadania no lugar de Osmar Terra

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, vai assumir o Ministério da Cidadania. A decisão do presidente Jair Bolsonaro foi comunicada nesta quarta-feira (12) ao atual titular da pasta, Osmar Terra, durante almoço, segundo fontes. Terra deixará o governo. A assessoria de imprensa do ministro Osmar Terra nega que a saída do ministro da pasta tenha sido assunto tratado no almoço. A decisão acontece após polêmicas envolvendo o nome de Onyx Lorenzoni nas últimas semanas. Bolsonaro demitiu dois dos principais auxiliares do ministro na ausência dele, entre eles Vicente Santini, que utilizou avião da FAB (Força Aérea Brasileira) em voo exclusivo entre a Suíça, onde ocorreu o Fórum Econômico Mundial, e a Índia, onde Bolsonaro participava de visita oficial. Além disso, o presidente transferiu para o Ministério da Economia o PPI (Programa de Parcerias e Investimentos), uma das principais vitrines da Casa Civil. Já Osmar Terra vinha se desentendendo com a equipe econômica do governo. A escalada se deu recentemente com o Bolsa Família, programa que tem registrado filas de espera de beneficiários. Além disso, o Ministério da Cidadania firmou contratos em série e sem licitação para contratação de serviços na área de computação com uma empresa investigada pela Polícia Federal na Operação Gaveteiro. Mais cedo, nesta quarta, Onyx havia refutado a possibilidade de comandar o Ministério da Cidadania. “Nah… Ninguém falou isso”, disse a jornalistas em Brasília. Para a Casa Civil, Bolsonaro  convidou o general Walter Souza Braga Netto,  segundo informações do jornal “O Estado de S. Paulo”. Netto é ex-chefe da intervenção federal no Rio de Janeiro.